Redes sociais para ajudar (ou não) no momento de pandemia do coronavirus

No último sábado (18), a Global Citizen, organização responsável por diversas ações sociais no mundo todo, organizou, com curadoria da cantora Lady Gaga, o “Together At Home”, festival que recebeu diversos artistas direto da casa de cada um deles. Personalidades como Elton John, Rolling Stones e Stevie Wonder estiveram se apresentando neste evento, que arrecadou milhões de dólares para auxiliar iniciativas em todo o mundo.

O evento foi realizado no Youtube e distribuído para várias emissoras em todo o mundo, inclusive no Brasil. As redes sociais comentaram muito sobre o assunto, que rendeu Trending Topics no Twitter.

Vejo que, no atual momento, as redes sociais ganharam força para a discussão de muitas pautas. Podemos analisar isso vendo como o presidente Jair Bolsonaro utiliza suas redes para disseminar notícias, pronunciamentos e protestos. Em meio a uma pandemia que não tem hora para acabar, as redes podem ser aliadas ou inimigas na hora de apoiar uma causa.

Entretanto, é preciso utilizá-las com cuidado. Nem sempre as redes são os melhores lugares para se informar. Veja o exemplo do WhatsApp, o grande disseminador de fake News nos últimos tempos. Foi ali que o presidente do Brasil publicou diversas “notícias”, que depois foram desmentidas. O nosso filtro para aceitar ou não essas informações precisar estar muito ligado.

Por mais que algumas pessoas considerem alguns veículos de comunicação parciais e que não dão a notícia por completo, são neles que precisamos nos basear para criar uma opinião sobre tal assunto. Como jornalista defendo a ideia de que jornais, portais e revistas estão presentes em nossas vidas para informar e não para desinformar. A desinformação é um perigo neste período de incertezas e inúmeros pronunciamentos.

Por isso, fique atento ao que você lê, fique atento as notícias, busque as informações. O “Ficar em Casa” não é ficar a mercê de redes sociais, mas sim um exercício de cidadania e de boa informação. Vamos agora, mais do que nunca, exercer nossa função de cidadão.

Por Nicholas Araujo via Um Pequeno Jornalista
Imagem: MS TECH / ENVATO

Facebook Comments

Deixe uma resposta